quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Melhorar o mundo na escola - CONCURSO

Hoje em dia, as escolas, através das matérias de ciências da natureza e geografia, vão transmitindo conceitos de ecologia e dos limites do planeta às crianças e adolescentes. Nas disciplinas não curriculares, como Área Projecto, por vezes são também abordados temas relacionados com o ambiente e com a sustentabilidade. Pontualmente, actividades ajudam alguns alunos a compreender os limites do planeta. No entanto, se bem que nos primeiros anos de escolaridade a escola têm tido um impacto positivo, sendo as próprias crianças a induzirem os pais a um maior respeito pelo ambiente, na adolescência, a maioria dos jovens desinteressa-se. Talvez fruto da idade. Ou talvez fruto do exemplo que vêem em casa e à sua volta - os maus exemplos são sempre mais aliciantes...

E não se trata apenas do respeito pelo planeta e do entendimento dos seus limites. Trata-se também do respeito pelas outras pessoas, da compreensão dos males da sociedade, do sentir que fazem parte importante da mesma e nela devem participar, contribuindo para a sua mudança para melhor. Mas a acelerada vida moderna não dá espaço para reflexão. E o ensino está longe de de colocar os jovens a pensar com a sua cabeça, com a sua alma - mecanizou-se.

Para piorar a situação, o Ministério da Educação pretende acabar com a Área Projecto, praticamente a única disciplina que promove a criatividade e a participação activa das crianças e adolescentes. Um erro crasso, na minha opinião. Se a disciplina está a funcionar mal, ponham-na a funcionar bem, não a sacrifiquem a favor das "disciplinas de estudo".

Está difícil compreender que a escola são os alunos, são os professores, são as pessoas, não os edifícios nem os computadores, nem sequer os livros.  A escola deve servir para mudar o mundo no bom sentido, não para perpetuar os erros. A escola precisa de inspiração e de inspirar.

Por isso, o primeiro concurso, lançado hoje neste blogue, em simultâneo com o blogue parceiro Sustentabilidade é Acção, tem como tema “Melhorar o mundo na escola”. Sugiro, como inspiração, três excelentes vídeos relacionados com o tema. Dois deles são as palestras de Ken Robinson no TED (aqui e aqui), e o terceiro é o inspirador exemplo prático que vem da Índia, de Kiran Bir Sethi, cujo testemunho também no TED  fica aqui incorporado:



O concurso tem como alvo preferencial a comunidade escolar (alunos e professores), embora esteja aberto a quem quiser participar, e consiste no seguinte:

1. Elaboração de um texto subordinado ao tema “Melhorar o mundo na escola”. O objectivo é que surjam ideias novas que sejam exequíveis nas escolas e que permitam aos alunos estarem preparados para ajudar a mudar a sociedade para melhor, conscientes dos valores éticos de respeito pelos outros e pelos limites do planeta, de forma a que a escola os ajude a crescer com responsabilidade ambiental e social. Não será obrigatório que se trate de ideias inéditas, podem ser apontados bons exemplos que já se apliquem em algum lugar com sucesso.

2. O texto deve ter um máximo de 300 palavras, deve ser escrito em língua portuguesa e em linguagem clara e acessível, e deve ser enviado para famalicaom@gmail.com até ao dia 20/12/2010.

3. Procederei a uma pre-selecção de 5 textos, que serão publicados aqui no blogue ficando a concurso. Dependendo da adesão e da qualidade/inovação dos textos, poderei diminuir ou aumentar o número de textos a publicar e a concorrer.
4. Os textos seleccionados serão publicados no blogue Sustentabilidade é Acção, pela ordem de chegada,  a partir do dia 21 até ao dia 23/12/2010, onde serão sujeitos a votação através de comentários, até ao dia 30 (será melhor explicado na altura própria).

5. O prémio para o texto mais votado, a anunciar no dia 31/12/2010, será o livro "Desenvolvimento Sustentável - Uma Introdução Crítica", de Valdemar Rodrigues, excelente livro que este blogue recomenda, e que será enviado por correio em Janeiro de 2011.

6. O autor do texto deverá identificar-se no e-mail. No entanto, se assim o solicitar, poderá usar pseudónimo para publicação. Ao vencedor será solicitada a morada para envio do prémio. Caso não indique, será enviado ao segundo mais votado.

4 comentários:

  1. Muito interessante o seu blog e o tema. Vim-me apresentar, pois sou de Famalicão. Tenho um blog,o Começar de novo junto com uma amiga e cheguei até aqui através do Optimismo em construção. A sua foto não me é estranha, mas não sei de onde a conheço. Gostaria muito que me visitasse lá no comecardenovo.blogspot.com. Moro no Edifício Vinova e quase de certeza que conhece a minha amiga que participa no comear de Novo. Adoro educação e lastimo muito a situação em que ela se encontra. Não sou professora, mas adoraria ter sido. um beijinho e até breve.
    Emília pinto

    ResponderEliminar
  2. Muito Obrigada, Emília

    Seja bem vinda a este blogue. Já deve ter reparado que se trata de um blogue "filho" do Sustentabilidade é Acção, mas mais localizado em Famalicão. Para já está um pouco parado, mas espero que daqui a algum tempo, não muito, comece a ter novidades.
    Vou de seguida visitar o seu "Começar de Novo".

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Antes de tudo para poder formar os alunos a sustentabilidade existe a responsabilidade familiar mais tambem escolar e civil. A minha sugestão não é nova em varias paises e acaba por trazer os seus lotes positivos. A principal diferença que notei quando cheguei a portugal com a minha filha há 7 anos é que não havia ninguem responsavel pelo recreio: as professoras têm o direito a beber café e descansar um pouco, as auxiliares estão atarefadas a limpar, esfregar ou ralhar com as crianças. Não existe nenhuma pessoa adulta que só tenha a tarefa não só de vigiar o recreio (bullying) mas tambem de se tornar amigos com eles e incutir regras de respeito pelas pessoas, planeta sem julgar, nem humilhar a criança mas sim explicando. Em frança esse papel é assumido por estudantes que reprovaram e que só vao as aulas umas horas. Mas atenção, tem de haver um contrato para a pessoa saber até pode ir: se pode castigar (sem um pai lhe vir encher a cabeça), se pode escrever recados na caderneta, se pode levar ao director se a asneira for grande etc... Não é como nas juntas de freguesia onde chamam os "POCS" porque são baratos mas sao largados na escola sem nenhuma formação nem pedagogia.Servem os almoços com vassouras na mão a ameaçar e toda a gente acha normal... Acho que o que falta verdadeiramente é um trabalho de vigilante amigo e pedagogo durante o recreio... Eles aprendem sem se aperceber e sao controlados...
    Atentamente
    Elisabeth Oliveira Pombal

    ResponderEliminar
  4. Elisabeth,

    Muito obrigada pela sua participação.

    Até breve

    ResponderEliminar