domingo, 24 de outubro de 2010

Transição para a Sustentabilidade

 O conceito de sustentabilidade, e mais propriamente desenvolvimento sustentável, apareceu definido pela primeira vez em 1987, no relatório Brundtland. E teve de ser definido e escrito, não porque fosse um conceito novo, mas porque  o Homem se esqueceu.

Durante muitos milénios, o Homem e a Natureza viveram em harmonia, de acordo com os princípios da sustentabilidade. A sustentabilidade era algo intrínseco, que juntava instinto com saber empírico, e que passava de geração em geração. 

No último século e meio, o Homem enlouqueceu com a energia fácil, lançou-se na aventura da tecnologia e esqueceu-se completamente da sustentabilidade e do essencial . Com o uso do carvão e mais ainda com a descoberta do petróleo, uma revolução energética levou-nos, a evoluir para modos e níveis de vida nunca antes sonhados, permitindo um crescimento exponencial da população através de uma escalada impossível de consumo de recursos e produção de poluição.

Tal como dizem os biólogos, o comportamento exponencial da nossa espécie no último século, a nível de crescimento demográfico e consumo de recursos, só tem paralelo na natureza,  nas infecções ou nas pragas. E todos sabemos que após "consumirem" tudo o que tinham ao seu alcance, a redução da população de bactérias ou de insectos é rápida e drástica. O caos instala-se e auto-acelera-se. Deduzimos, portanto, que a continuar com o consumo e crescimento do último século, num meio finito, caminhamos seguramente para o início do fim da civilização tal como a conhecemos. São leis da física e da biologia...

Em paralelo com o aumento do nível de vida de parte da população mundial, com o aumento da esperança de vida, com o desenvolvimento da ciência,  e com o encurtamento das distâncias e globalização do comércio, assistimos a um retrocesso dos valores essenciais, ao declínio da natureza e da biodiversidade, ao aumento assustador do número de pessoas com fome crónica, e ao aumento exponencial das disparidades entre aquilo que têm os mais ricos e os mais pobres.
E nem por isso, as pessoas do mundo dito "civilizado" são hoje mais felizes. Pelo contrário, a correria, a falta de valores e prioridades verdadeiras, fez com que a angústia, o pessimismo e a passividade cívica se instalassem. A vida em comunidade foi desaparecendo ao ponto de nem sabermos quem é o vizinho que mora ao lado, o tempo para a família e os amigos cada vez fica mais curto.

Salvo honrosas excepções, aqueles que governam as nações vêem demonstrando cada vez mais a sua incapacidade de mudar o mundo, estando cada vez mais subjugados e controlados pelas grandes corporações que detém o poder económico. A falta de liderança e de coragem é já a imagem de um tempo, em que uma grande parte da humanidade continua a seguir na corrente do deslumbramento pelo consumo, ignorando ou não querendo ver que essa corrente não desagua senão num inevitável mar de caos e de guerra.

Resta-nos seguir nessa corrente, ou então, nadar contra ela com todas as nossas forças. Porque só a partir da nossa acção, dos cidadãos comuns minimamente informados e conscientes, é que pode surgir a mudança.

É tarde demais para evitar a grande crise que se aproxima, mas não é tarde demais para a tentar amenizar.  

Está  mais que na hora de começarmos a fazer a transição para um mundo em que quem está primeiro são as pessoas e a natureza, e não o dinheiro.

Nota: este texto foi também publicado no blogue Sustentabilidade é Acção com o título Está mais que na hora da Transição para a Sustentabilidade

Sem comentários:

Enviar um comentário